POETA TRISTE

 

POETA TRISTE

Contemplo o anoitecer
e a vejo sempre ali…
fulgente a lua minguante
naquele vaivém como uma
gangorra, as estrelas
cintilantes fazem algazarra
num torpor pueril e brincam
com ela no céu…
As demais, sorridentes e
esbaforidas dançam graciosas
com fadas e querubins feitos
num esboço colorido e vibrante
 em pedacinhos de papel…
Sinto-me flagelado e entorpecido
Onde o vazio permeia meu espírito
 num rebuliço de idéias…
 ou será apenas a ribalta
  de um cenário infante?
Ouço agora, o tic tac do relógio
do tempo que me desperta desse
instante…
Onde mais uma vez, o meu sonho
é lírico e eloqüente…
Onde estão as palavras? onde
está a poesia que emoldurava
a minha mente?
e o papel pergaminho? onde eu
fazia manuscritos soltos e os
soprava pelo caminho?
Onde andará a minha inspiração?
serei eu um poeta triste orbitando
dentro de mim mesmo nessa fugaz
divagação?

Lu Lena
 

Anúncios